Sousa/PB -
Evento

Presidente do Compem defende agenda de competitividade em Fórum Permanente das MPEs

No fórum foi debatido os temas de desburocratização de licenciamentos, atualização dos limites do Simples e do teto das MEIs e muito mais

Por Redação do Reporterpb

30/11/2023 às 20:29

Imagem Presidente do Compem defende agenda de competitividade em Fórum Permanente das MPEs

Presidente do Compem defende agenda de competitividade em Fórum Permanente das MPEs ‧ Foto: Divulgação

Tamanho da fonte

O presidente da Conselho Temático de Micro e Pequenas Empresas (Compem) e da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte (FIERN), Roberto Serquiz, defendeu uma Agenda de Competitividade voltada à diversos temas, como: a desburocratização de licenciamentos, o fortalecimento dos Fundos Constitucionais, a aprovação do Marco Legal do Reempreendedorismo e a atualização dos limites do Simples e do teto das MEIs (Microempreendedores Individuais).

Roberto Serquiz representou o presidente da CNI, Ricardo Alban, na reunião do Fórum, ao lado do presidente interino da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, e do ministro da Micros e Pequenas Empresas, Márcio França, na manhã desta quarta-feira (29).

“Essa agenda é prioritária e precisa ser urgentemente trabalhada”, afirmou Roberto Serquiz, que é presidente do Conselho Temático da Micro e Pequena Empresa (Compem) da CNI. Ele ressaltou que é inadiável o avanço desta pauta, que atenderia demandas do setor. O presidente do COMPEM disse que as micros e pequenas empresas (MPEs) são fundamentais para a economia do país e para contribuir nas melhorias das condições sociais por terem ampla capilaridade e empregabilidade.

Roberto Serquiz ressaltou que as MPEs produzem a maior parte dos postos de trabalho e são responsáveis por 28% do PIB no Brasil. “É neste ambiente que a CNI debate propostas de defesa, estímulo e promoção da micro e pequena empresa”, acentuou. “Por isso, o presidente da CNI, Ricardo Alban, me confiou essa atribuição [de presidir o COMPEM] com a missão muito firme de dar relevância à micros e pequena empresa, mostrando a dimensão que tem o setor no cenário econômico nacional”, acrescentou.

Ele disse também que é nessa circunstância que a Confederação Nacional da Indústria (CNI) debate propostas de estímulos à rede de apoio às MPEs, que incluem o Núcleo de Apoio ao Crédito (NAC) e o Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias (Procompi).

Roberto Serquiz citou números que reforçam a dimensão e capilaridade das MPEs. Ele destacou que são 15 milhões de MEIs (Microempreendedores Individuais) com CNPJs registrados. “Isso é muito importante para o país, porque tirou muitos empreendedores da informalidade”, observou. Também apontou outras sete milhões de MPEs. Mas, segundo estimativas do Ministério do Empreendedorismo, existem 20 milhões de empreendedores na informalidade no Brasil.

“Temos um trabalho muito grande pela frente. O Conselho da CNI que passamos a presidir está à disposição e, neste ritmo colaborativo, a CNI participa deste Fórum”, garantiu. “Temos convicção que é fundamental avançar na agenda competitiva em uma condição rápida e eficiente”, salientou Serquiz.

Para o presidente da FIERN, com esses avanços propostos, as micros e pequenas empresas podem contribuir “na redução das desigualdades sociais e no resgate da dignidade das pessoas”.

O presidente em exercício e ministro do Desenvolvimento, Geraldo Alckmin, afirmou que estimular a atividade empreendedora é uma necessidade “central e crescente”, diante das transformações tecnológicas e digitais contemporâneas.

 

Fonte: Ascom

Ads 728x90

QR Code

Para ler no celular, basta apontar a câmera

Comentários

Aviso Legal: Qualquer texto publicado na internet através do Repórter PB, não reflete a opinião deste site ou de seus autores e é de responsabilidade dos leitores que publicam.